BIOGRAPHY: António Mariva Mpfumo

Full Name: António Mariva Mpfumo

Birthday: 18/10/1928

Nationality: Bairro de Mafalala -Maputo

Artistic Name: Fany Mpfumo

Pfumo começou a cantar aos 7 anos de idade e, em 1947, com apenas 18 anos, deixou Lourenço Marques, actual Maputo, com destino a África do Sul, onde mercê do seu talento cedo granjeou simpatia e projeção no mundo da música. Trabalhou com figuras de relevo no panorama artístico sul-africano, a exemplo da “Mamã áfrica” Miriam Makeba, Black Mambazo e Spokes Machiana. Grava na África do Sul, ao lado de Jafete, Alberto Langa e Francisco Mahecuani, o memorável trecho “Moda xikavalo”, um número original de marrabenta que durante largos anos foi usado como “indicativo” radiofónico de transição do tempo de antena em Xitsonga (Changana) para emissão em Xironga (ronga). “Dark City Sisters” é o nome de um agrupamento que fundou na África do Sul e, com ele, ainda residindo naquele país vizinho, realizou alguns espetáculos na então Lourenço Marques, actual Maputo. Estilo da marca registrada de Pfumo é caracterizada pela mistura de ritmos marrabenta com elementos de jazz, bem como influências da música sul-africana kwela. Em Joanesburgo, Pfumo teve a oportunidade de gravar com HMV, alcançar a fama internacional com canções como Loko ni kumbuka Jorogina ("When I Remember Georgina"); este, em particular, continua a ser uma das músicas mais conhecidas e emblemáticas da marrabenta. Ele iniciou em uma série de bandas durante os anos 1950 e 1960, mas também gravou vários singles solo. Autor de verdadeiros hinos da música ligeira moçambicana, Fany Mpfumo, regressou definitivamente ao país em 1973, com 45 anos de idade. Em reconhecimento da sua grande obra o país o homenageou em 1986, pelos 20 anos de trabalho para a música moçambicana e em 1999 foi editado a título pístumo o seu primeiro CD (RM/Vidisco), com o titulo “Nyoxanini”, composto por 18 temas. Pfumo começou a cantar aos 7 anos de idade e, em 1947, com apenas 18 anos, deixou Lourenço Marques, actual Maputo, com destino à África do Sul, onde mercê do seu talento cedo granjeou simpatia e projecção no mundo da música. Trabalhou com figuras de relevo no panorama artístico sul-africano, a exemplo da “Mamã África” Miriam Makeba, Black Mambazo e Spokes Machiana. Grava na África do Sul, ao lado de Jafete, Alberto Langa e Francisco Mahecuani, o memorável trecho “Moda xikavalo”, um número original de marrabenta que durante largos anos foi usado como “indicativo” radiofónico de transição do tempo de antena em Xitsonga (Changana) para emissão em Xironga (ronga). “Dark City Sisters” é o nome de um agrupamento que fundou na África do Sul e, com ele, ainda residindo naquele país vizinho, realizou alguns espectáculos na então Lourenço Marques, actual Maputo. Estilo da marca registrada de Pfumo é caracterizada pela mistura de ritmos marrabenta com elementos de jazz, bem como influências da música sul-africana kwela. Em Joanesburgo, Pfumo teve a oportunidade de gravar com HMV, alcançar a fama internacional com canções como Loko ni kumbuka Jorogina ("When I Remember Georgina"); este, em particular, continua a ser uma das músicas mais conhecidas e emblemáticas da marrabenta. Ele iniciou em uma série de bandas durante os anos 1950 e 1960, mas também gravou vários singles solo. Autor de verdadeiros hinos da música ligeira moçambicana, Fany Mpfumo, regressou definitivamente ao país em 1973, com 45 anos de idade. Em reconhecimento da sua grande obra o país o homenageou em 1986, pelos 20 anos de trabalho para a música moçambicana e em 1999 foi editado a título póstumo o seu primeiro CD (RM/Vidisco), com o titulo “Nyoxanini”, composto por 18 temas.

ALBUNS

VIDEOS

NEWSLETTER